Núcleo: Palavra

Pesquisadores: Tamara Castro e André Luis Santos

Perfil: Tamara Castro é bacharel em Letras e mestre em Educação pela Universidade de São Paulo; pesquisadora

em educação de sensibilidade, imaginário e escrita poética.

 

André Luis Santos é Mestre e Doutorando em Cultura, Organização e Educação (FE-USP), filósofo, musicista, arte-educador e pesquisador das corporeidades e musicalidades afro-diaspóricas.

 

Contato: castro.tam@gmail.comandrelps@usp.br

Facebook: Tamara Castro , André Luis Santos

Água da palavra. Que palavra ecoa nessa busca silente, desperta à noite, quando tudo cala, menos uma sede sem nome, sem voz, sem fim? Sede que brota do oco de nós, na profundeza escura que nos enraíza e nos eleva, guia dos sonhos esquecidos ao grito metálico do despertador. Mas no fundo da língua resiste um gosto salobro, íntimo e estranho, talvez um canto encrustado na garganta, palavra que não ganhou asa, canoa que olvidou o (des)tino navegante.

seu coração marinho, subterrâneo doce da vida que em si sepulta.
O silêncio da terra e suas veias coaguladas de nossas palavras é a morada que nos basta.

Tamara Castro

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
Cultivar essa palavra orvalhada de silêncio não é preciso, assim como “viver não é preciso”. Não há precisão, garantias, destinos predefinidos em uma busca por nós, entre nós, trama intrincada, labiríntica. Mas prenhe de alma, presença, vida. Diz Bachelard (2005, p. 11) que a poesia, “mesmo não tendo uma necessidade vital, é ainda uma tonificação da vida”, pois um grande verso “sanciona a imprevisibilidade da palavra”. E nos indaga: “Tornar imprevisível a palavra não será uma aprendizagem de liberdade?”