Laboratório Experimental de Arte-Educação e Cultura - Faculdade de Educação - Universidade de São Paulo

Av. da Universidade, 308 - Auditório Helenir Suano - sala 130 Bloco B - Cidade Universitária - São Paulo/SP

Site nutrido pelas experiências dos educadores-pesquisadores do Lab_Arte.

©Todos os direitos reservados

artigos

O grupo Esparrama e sua experiência de mediação cultural: Um encontro de imaginários

Ana Cristina de Souza, Luciana da Conceição e Rosângela Barbalacco

Artigo publicado na Revista do Centro de Pesquisa e Formação Sesc n. 08 (ISSN: 2448-2773)

Matrices de la persona afro-amerindia: escritura como obra de vida

Se trata de presentar las matrices filosóficas y epistemológicas de la noción de persona em el contexto afro-ameríndio de Latinoamérica como contrapunto al colonialismo cognitivo europeo basado en la lógica aristotélica y el pensamiento cartesiano.

A pesquisa como jornada interpretativa: uma leitura metafórica do filme "A lenda do pianista do mar"

Autores: Euni Elisa Willms, Rogério de Almeida, Marcos Ferreira-Santos

O texto tem o objetivo de apresentar uma leitura metafórica do filme "A lenda do pianista do mar" (TORNATORE, 1998), baseadono monólogo Novecentos de Alessandro Baricco (2000). Mais do que compreender o filme encerrado em seu sentido narrativo, partiremos de sua narrativa para estabelecer comparações com o trabalho do pesquisador.

Innovación curricular y enseñanza superior: el arquetipo del maestro-aprendiz en la experiencia de lab_arte

... Me gustaria en el espacio de estas contribuciones plantear algunas cosas cercanas de la "apetencia": de las cosas que nos gustan y que están más presentes en nuestro cotidiano y nuestro quehacer diario. Aun que parece un poco "raro", las apetencias y nuestras inhabilidades dicen mucho más de nuestro estatuto ontológico de "seres aprehendientes" como bien lo plantea la epistemologia merindia - es decir - de los pueblos de las tierras altas (quechua, quíchua, aymara, mapuche, ashuar, etc.) y de las tierras bajas (guarani, tupí, kraho, tukano, yanomami, etc.)...

O Laboratório de Arte Educação como espaço para experimentações na formação docente: a experiência com história em quadrinhos

Sabrina da Paixão Bresio

Este artigo apresenta as reflexões acerca da importância de espaços de criação e experimentação artística na formação docente, partindo das vivências e impressões obtidas durante os trabalhos desenvolvidos no Núcleo de Histórias em Quadrinhos (HQ) do lab_arte (Laboratório de Arte Educação da Faculdade de Educação da USP). Ao longo dos encontros nota-se que, através do conhecimento e contato com elementos da linguagem própria das HQ, os participantes tornam-se agentes criadores capazes de se expressar criativamente através deste veículo, e instrumentalizados a estender suas experiências de criação à sua prática docente.

Criar fanzines e compartilhar histórias

Sabrina da Paixão Bresio

“Faça você mesmo, faça para entender, crie um mundo novo.” Essa frase de Redson Pozzi, músico brasileiro engajado ao movimento punk rock, define o espírito do fanzine.

Uma ética-poética do sagrado no hermenêutico trabalho sobre si por meio do jogo dramático...

autores: Theda Cabrera Gonçalves Pereira e Marcos Ferreira-Santos

A utilização do jogo dramático com base em contos filosóficos como recurso para a formação de educadores consolida um processo mitohermenêutico assaz significativo que os sensibiliza para uma dimensão de sagrado em sua vida cotidiana e em seu futuro ofício.

Memória, narração oral e corpo

autoras: Fabiana de Pontes Rubira e Patricia Pérez Morales

Neste artigo relatamos experiências narrativas desenvolvidas no Lab_Arte – Laboratório Experimental de Arte, Educação e Cultura, da FEUSP, no Núcleo de Narração de Estórias. A partir de uma concepção de educação de sensibilidade e de uma perspectiva hermenêutico-fenomenológica de investigação, analisamos os processos simbólicos de alunos do laboratório. Assim, constatamos a importância da participação ativa do corpo na construção de conhecimentos e de memórias.

Imaginar: outra forma de pensar, ensinar e aprender

autora: Fabiana de Pontes Rubira

Considerar a imaginação como outra forma de pensar é admitir que nossos pensamentos não são constituídos apenas de palavras, mas sobretudo de imagens. Sendo o pensamento uma ação produzida pelo nosso corpo, pois é através dele que percebemos o mundo, que o capturamos e o transformamos, por meio de uma razão-sensível, aquilo que percebemos, sentimos e vivemos em pensamento. A partir de uma perspectiva fenomenológica, esse artigo visa mostrar a importância de um maior entendimento e estímulo dessa faculdade humana essencial para o desenvolvimento pleno do ser humano e em seu processo formativo.

A sensibilização da memória na formação de educadores

autores: Theda Cabrera e Marcos Ferreira-Santos

A utilização dos contos filosóficos como recurso para a formação de educadores consolida um processo de ensino/ aprendizagem assaz significativo que, para muito além dos recursos apenas teóricos, os prepara para uma “escuta atenta” e uma prática mais coerente com outras possibilidades educativas alternativas quando estejam, eles próprios, no desempenho de suas funções como educadores e educadoras.

Please reload

01 Nov 2015

A canoa da escritura formativa: trajetórias do barro pelo rio ao mar

Autora: Miraci Tamara Castro

A dissertação investiga a escritura formativa, simultaneamente, como processo de criação e como processo formativo. Para tanto, se lastreia num enfoque autobiográfico com base no ensaio (Larossa, 2006) amplamente matizado pela obra poética da pesquisadora, num diálogo intenso com pensadores, escritores e escritoras que têm a palavra como universo de investigação e criação artística, entre eles a perspectiva fenomenológica de Gaston Bachelard, a hermenêutico-simbólica de Ferrira-Santos (1998, 2004 e outros), Ferreira-Santos e Almeida (2001 e 2012), Loureiro (2008), Willms (2013) e Rubira (2006 e 2015), bem como a dos poetas da terra Guimarães Rosa e Manoel de Barros, e das poetisas das águas Neide Arcanjo e Clarice Lispector.

12 Jan 2011

Fundamentos Antropológicos da Arte-Educação - por um pharmakon na didaskalia artesã

Prof. Dr. Marcos Ferreira-Santos

O artigo trata dos fundamentos antropológicos da arte-educação sob o prisma de uma mudança paradigmática, na clave interpretativa da hermenêutica simbólica e da aprendizagem pela experiência (uma maestria artesã, didaskalia). Este contexto complexo nos remete à dimensão da religiosidade que se oculta nas formas artesanais da educação. Isto é, na construção cotidiana e experimental das práticas educativas sem modelos apriorísticos e, dessa forma, abertos à existência em seu fluxo dinâmico e imprevisível. Neste sentido, procura-se entender o fenômeno bioantropológico do “cuidado” como elemento de religação e releitura (religare e relegere) em sua religiosidade, mas também como elemento prático de remediação (pharmakon), seja na esfera artesã (como arte sã) da educação, das artes e da saúde na constituição da pessoa (prosopon).

16 Jan 2017

Nas trilhas do herói. histórias em quadrinhos & itinerários de formação

Autora: Sabrina da Paixão Bresio

A jornada do herói é uma trajetória autoformativa presente em narrativas ancestrais que, ultrapassando barreiras espaços-temporais, ainda ecoam nas produções contemporâneas, sem perder suas potencialidades simbólicas. Seguindo pelas trilhas do Imaginário Simbólico, acompanharemos protagonistas das obras em quadrinhos É um pássaro, de Steven T. Seagle e Teddy Kristiansen, Daytripper, de Gabriel Bá e Fábio Moon, e Habibi, de Craig Thompson, que trilham seus caminhos através do labiríntico processo de conhecimento do mundo e de si. Partindo dos caminhos metodológicos da Mitopoética e da mitologia comparada, seguiremos em busca dos fios que compõem o tornar-se quem se é, em uma investigação poética que mescla itinerários autoformativos ficcionais presentes nas Histórias em Quadrinhos, destacando a valorização da experiência, o papel das narrativas na constituição de si e as tessituras com a Pedagogia da Escolha, bem como as relações entre a composição artística dos quadrinhos, sua relação com a jornada heroica e os processos educativos...

30 Mar 2015

A ético-poética do trabalho sobre si por meio da dramatização de contos filosóficos...

autora: Theda Cabrera Gonçalves Pereira - orientador: Marcos Ferreira-Santos

Esta pesquisa de doutoramento em Educação na Universidade de São Paulo (USP)/ Brasil teve financiamento CAPES, 2011/2012/2013 e FAPESP 2013/2014/2015. Trata-se de uma investigação acerca do trabalho sobre si (GURDJIEFF, 1990, 1993, 2002, 2003; OUSPENSKY, 1995, 2009; Shah apud VARELLA, 2009; STANISLAVSKI, 1977; TOPORKOV, 1991, GROTOWSKI,1997; BROOK, 1997, 2000) na formação inicial de educadores por meio da dramatização de contos filosóficos (CARRIÈRE, 2004, 2008) com o mitema (DURAND, 1988) iniciático (ELIADE, 2004, 2010; GUSDORF, 2003).

13 Mar 2015

Dançando com o Minotauro nas noites: narração de estórias e formação humana

autora: Fabiana de Pontes Rubira

 Desde uma perspectiva hermenêutica e fenomenológica, as reflexões suscitadas pelas vivências no laboratório conduziram a pesquisadora desse trabalho ao mito fundador da pessoa contadora de estórias, que encontra sua expressão mais significativa na figura da sultana Sherazade, do livro das Mil e uma Noites, mas que perpassa o mito de Ariadne, a Senhora dos Labirintos, que por sua vez atualiza o mito sumério de Inanna, a senhora dos céus e dos ínferos. Narrando à beira do precipício, a Senhora da Vida convida o Senhor da Morte para uma contradança labiríntica, de cujo fim inexorável ninguém escapa.

Please reload

colunas, entrevistas e outras publicações online

13 Aug 2015

O poder dos contos de fadas

com Fabiana Rubira | por Carolina Oliveira

Contar histórias é uma prática recorrente desde tempos imemoriais. Graças a esse costume, contos, lendas e mitos de séculos atrás puderam chegar até nós. Em sua tese pela Faculdade de Educação da USP, a pesquisadora Fabiana Rubira estudou a figura do contador de histórias e as narrativas da tradição oral, e percebeu a importância desses elementos para a formação do ser humano.

18 Aug 2015

Contadora de histórias apresenta doutorado sobre o poder das narrativas na formação pedagógica

com Fabiana Rubira | por Ana Maria Lopes

O uso de narrativas ficcionais na formação pedagógica é o tema da tese de doutorado da professora e contadora de histórias Fabiana de Pontes Rubira. "Dançando com o Minotauro nas Noites: narração de estórias e formação humana" é o título da pesquisa desenvolvida na Faculdade de Educação da USP, sob a orientação do professor Marcos Ferreira Santos.

Fabiana atua como contadora de histórias desde 2001 e, através do trabalho, passou a pesquisar as narrativas da tradição oral e a importância dos contadores de histórias na formação do ser humano.

23 Jun 2016

Narração de estórias e formação de professores

por Fabiana Rubira

Um tempo fora do tempo. Um lugar sobre e além do tempo do H das Horas que nos devoram. Um momento de liberdade ao perambularmos pela Terra dos Encantados. Um descanso à alma desses vagamundos, para que possam se refrescar na fonte das águas ancestrais da Memória, sentando-se à sombra de uma frondosa e acolhedora Árvore que ali está desde sempre.

 

Aprendi, lendo e ouvindo Guimarães Rosa, que somos seres feitos de histórias e estórias. 

Please reload

livros

A brincagogia sensível

... Dessa forma, a vivência de uma situação em que os dois seres, educador e aprendiz, se encontrem, para além do diálogo verbal, dialoguem com seus corpos na situação concreta de uma experiência que os comunga, os coloca no horizonte da pessoalidade, na transversalidade das mesmas buscas, na gesticulação cultural dos toques e expressões faciais...

Marcos Ferreira-Santos no livro "Brincar, um baú de possibilidades"

Livro completo disponível - clique na imagem

O Imaginário Trágico de Machado de Assis: elementos para uma pedagogia da escolha.

Este livro é fruto de 7 anos de investigação sobre o caráter trágico da obra machadiana, isto é, a misteriosa conjunção entre uma existência desagradável e a alegria de viver. Polêmico, o livro é contundente ao apontar em Machado de Assis a insignificância do real, a existência sem sentido e a natureza indiferente ao sofrimento humano. O livro também reflete sobre os desdobramentos educacionais da obra machadiana e as bases de uma pedagogia da escolha.

ALMEIDA, Rogério de. O Imaginário Trágico de Machado de Assis: elementos para uma pedagogia da escolha. São Paulo: Képos, 2015.

Please reload